Economistas alertam, , a prática de mandala é enquadrada como um crime contra a economia financeira

Você certamente já ouviu falar, ou foi convidado para participar das famosas pirâmides financeiras, que agora reaparecem como mandalas, uma aplicação financeira ilegal no Brasil e que promete ganhos multiplicados e garantidos aos participantes. Por ganância ou inocência, um número grande de patenses tem participado do esquema que é considerado crime.  
Em  todo país  os grupos trabalham com valores em torno de R$ 125,00, para um ganho previsto de R$ 1.000,00. Através do aplicativo whatsaap são formados os grupos e os convidados depositam o dinheiro diretamente na conta de quem o criou. Cada um dos participantes precisa convidar mais pessoas para dar andamento aos giros da mandala, afim de se chegar ao centro das camadas e então receber o montante, que supostamente seria bem maior do que o que foi investido.
Mesmo que você conheça pessoas que já receberam dinheiro através deste tipo de movimentação, muito cuidado, especialistas em economia e juristas afirmam que além de ser crime, em algum momento alguém vai ser lesado. Em entrevista para a coluna Brasil Econômico do  economia.ig, o advogado e professor de matemática financeira, José Vieira Dutra Sobrinho, disse que a tendência natural, à medida que a pirâmide ou neste caso a mandala caminha, é que um número muito maior de pessoas vai acabar perdendo dinheiro, porque a corrente sempre se rompe.
Ainda de acordo com a publicação, a prática é enquadrada como um crime contra a economia popular tipificado no inciso IX, art. 2º, da Lei 1.521/51: "obter ou tentar obter ganhos ilícitos em detrimento do povo ou de número indeterminado de pessoas mediante especulações ou processos fraudulentos. Até o momento, a Polícia de Patos de Minas não recebeu queixas de perdas financeiras.

Tecnologia do Blogger.