Vereadores de Sertânia denunciam indícios de possível superfaturamento na Expocose

          Um grupo de seis vereadores que integram a oposição ao prefeito Ângelo Ferreira (PSB), em Sertânia, entraram com uma representação no Ministério Público de Pernambuco denunciando o não cumprimento da Lei nº 15.818/2016 que exige a fixação de uma placa no local do evento detalhando os gastos com atrações e estrutura, bem como a origem dos recursos.

Os parlamentares também levantaram suspeitas sobre possível indícios superfaturamento na contratação das atrações da 45ª Exposição Especializada de Caprinos e Ovinos do município, que se encerra neste domingo (9), segundo noticiou o blog Tribuna do Moxotó a partir de denúncias de leitores.

Nos exemplos apontados estão o da banda Fulô de Mandacaru, que abriu a festa na sexta-feira (7), com um cachê de R$ 60 mil. A mesma banda tocou na abertura do São João de Arcoverde, dia 17 de junho, considerado período alto dos cachês das bandas de forró, por um cachê de R$ 20 mil. Outro exemplo citado é o do cantor Ciel Rodrigues que se apresenta em Sertânia com um cachê de R$ 68 mil se apresentou em Calumbi na semana passada por R$ 27 mil.

Os parlamentares ainda citaram em sua denúncia a apresentação do cantor Jonas Estigado que se apresentou em Jataúba por R$ 50 mil e agora canta em Sertânia por R$ 95 mil. Na lista citada pelos parlamentares ainda tem o cantor Zeca Bota Bom que se apresentou na semana passada em Mirandiba por R$ 15 mil e toca em Sertânia por um cachê de R$ 25 mil.

A representação feita ao Ministério Público de Pernambuco foi assinada pelos vereadores Orestes Neves (PT), Vino Veras (PTB), Junhão Lins (PSDB), Damião Silva (PCdoB), Cícero Evandro (PCdoB) e Dorgival Rodrigues (PSD). 

Fonte: A folha das Cidades
Tecnologia do Blogger.