O fim do Ministério do Esporte no governo de Jair Bolsonaro


O  esporte que  gozava de  caráter de Ministério  desde 1995, no próximo governo de Jair Bolsonaro deverá dividir a pasta  com o nono Ministério da Educação, Esportes e Cultura, aliás ,desde do inicio da historia institucional  do esporte no país  em 1937  o Esporte  fez parte do Ministério da Educação até  ter sua pasta especifica .

Criado como uma divisão, quase sempre com administração e participação de oficiais militares, foi no Governo Fernando Henrique Cardoso que nasceu o Ministério Extraordinário do Esporte tendo como Pelé, o seu primeiro ministro.

A pasta mudou de nome no segundo mandato de Fernando Henrique Cardoso para Ministério do Esporte e Turismo e somente no Governo Lula, em 2003, que nascia o Ministério do Esporte.

Desde a sua criação nestes 23 anos foram 11 ministros até o atual Leandro Cruz Fróes da Silva assumir o cargo em 10 de abril passado.

A pasta desde os Jogos Olímpicos do Rio 2016 tem tido constantes cortes de orçamento. Em 2016, o pico de toda a sua existência, eram 1,7 bilhões de reais. A previsão do próximo ano seria de 656 milhões de reais, o que representaria uma redução de 478 milhões do orçamento deste ano. Com a mudança das pastas, estes valores vão ser revisados.

A decisão anunciada hoje já era esperada. A palavra esporte não era sequer mencionada no programa de governo registrado pela candidatura Jair Bolsonaro no TSE. O fim do Ministério não representa necessariamente os investimentos e a atuação na esfera esportiva, mas ligam um alerta que pode deixar a pauta de lado nas prioridades nacionais.

Sempre é bom lembrar que dados da ONU e Organização Mundial da Saúde, para cada dólar investido no esporte são economizados três dólares na saúde pública.

Fonte: O Globo

Tecnologia do Blogger.