Rio de Janeiro: Caso Henry Borel: o que se sabe sobre a morte da criança de 4 anos e prisão da mãe e do padrasto

O vereador carioca Dr. Jairinho (Solidariedade) foi preso pela Polícia Civil do  Rio de Janeiro, nesta quinta-feira (8), por suspeita de envolvimento na  morte do enteado dele, Herry A mãe da criança, Monique Medeiros, também foi presa.

O menino Henry, filho de Monique e afilhado de Dr. Jairinho, foi encontrado morto no apartamento dela, com diversas lesões graves pelo corpo. Ela e Dr. Jairinho, padrasto do menino, disseram à polícia que o garoto teria sofrido um acidente doméstico no dia.

O laudo do IML, porém, apontou que o garoto sofreu diversas lesões graves em diversas partes do corpo. A perícia apontou ainda que a causa da morte foi uma hemorragia interna e uma laceração no fígado causada por uma ação contundente. Isso levou a polícia a descartar um acidente como a causa da morte.

Segundo o delegado responsável pela investigação, Henrique Damasceno, hoje o casal é investigado por homicídio duplamente qualificado. Isso porque foi usada tortura e por emprego de recursos que causaram impossibilidade de defesa da vítima, segundo ele.

O delegado disse que a babá do garoto, que tinha um vínculo estreito com o casal, mentiu durante o depoimento. Isso aponta, segundo ele, que houve uma interferência dos investigados.O delegado disse em entrevista coletiva à imprensa nesta quinta que foram "reunidas provas fundadas" que apontam o casal como responsável pelo crime. Os dois foram encontrados no momento da prisão em um endereço que eles não tinham informado no inquérito.

Chutes e rasteira

O delegado responsável pelo caso revelou ainda conversas trocadas no dia 12 de fevereiro (pouco menos de 30 dias antes da morte do garoto) entre a babá e Monique, a mãe de Henry. No diálogo, a funcionária relata agressões cometidas por Dr. Jairinho contra a criança.

Em um dos diálogos, a funcionária conta que Dr. Jairinho e Henry ficaram trancados no quarto por alguns minutos com a TV ligada com um volume alto. Quando a criança saiu do cômodo, teria contado a ela que levou chutes e uma rasteira, além de reclamar de dores no joelho e na cabeça.

Segundo o delegado Henrique Damasceno, isso prova que a babá mentiu no depoimento, já que ela disse que a relação entre eles era muito boa.

"Está bastante evidenciado de que ela mentiu. Ao invés de narrar qualquer incidente dentro daquela residência, ela disse que era uma relação harmoniosa. Verificamos que testemunhas estavam sendo influenciadas. Foi urgente a prisão porque havia um prejuízo nas investigações com a liberdade dos investigados", afirmou Damasceno.

Mesmo sabendo das agressões, o delegado diz que a mãe de Henry não procurou a polícia e também não afastou a vítima do agressor. No dia da morte do garoto, a babá não estava no apartamento.

Fonte: BBC Brasil



Tecnologia do Blogger.