isso a globo não mostra.


Não entenda como uma defesa do presidente Bolsonaro, que cometeu erros e continua com uma postura equivocada, a ponto até de defender o não uso de máscaras para quem já está vacinado, mas a pandemia no Brasil virou palanque político. A maior palanqueira é a TV-Globo, que aponta o presidente brasileiro como o principal responsável pelas 500 mil mortes, marca atingida sábado passado, mas não inclui entre os culpados os governadores e prefeitos que desviaram bilhões da Covid. O maior circo, a CPI do Senado, com presidente e relator investigados por corrupção.

Ora, quem roubou dinheiro com a rubrica de salvação de vidas, diga-se de passagem, remetido pelo Governo Federal, matou vidas do mesmo jeito, é igualmente, genocida ou tem alguma diferença? O presidente é genocida porque foi relapso e negacionista. Tudo bem. E quem comprou respiradores de porcos, equipamentos hospitalares em geral superfaturados, não é, igualmente, criminoso? A Globo foi ao orgasmo com um editorial no JN falando das 500 mil mortes, cravando, indiretamente, o Governo pela culpa.

Mas quando informa que os Estados Unidos, a maior potência mundial, ultrapassou a marca das 600 mil mortes, não carimba o presidente Joe Biden de genocida, nem tampouco o ex-presidente Donald Trump. Dois pesos, duas medidas. A Índia não está muito distante do Brasil em termos de mortes – 400 mil – mas a Globo também não se refere ao presidente Ram Nath como genocida, muito menos o primeiro-ministro Narendra Modi. Qual a diferença? Politicagem, antecipação da eleição de 2022.

A Globo omite, por exemplo, que mais de 16 milhões de brasileiros se recuperaram da covid. Quanto aos Estados, deveria apontar, também, a roubalheira, começando pelo governador de São Paulo, João Dória (PSDB). Além de ser a unidade da Federação com maior número de mortes, o Governo Dória recebeu a “ilustre” visita da Polícia Federal. Assinou uma compra superior a meio bilhão de reais, sem licitação, para aquisição de respiradores em caráter de urgência. Quem rouba, também não é genocida, repito?

Em São Paulo, foram três mil aparelhos importados da China, a um custo de mais de R$ 550 milhões, gasto que representa quase metade do R$ 1,2 bilhão estimado pelo governo com custos extras devido à pandemia. Por conta disso, o tucano está na mira do Ministério Público de São Paulo e silenciou, tende a virar réu e até ser preso. No Rio, o governador Wilson Witzel chegou a ser afastado por decisão monocrática do ministro Benedito Gonçalves, do STJ, que atendeu a pedido do Ministério Público Federal, denunciado pelos crimes de corrupção, organização criminosa e lavagem de dinheiro. Na decisão, Gonçalves diz que o grupo criminoso, do qual Witzel faria parte, agiu e continua agindo, "desviando e lavando recursos em plena pandemia".

Mas a Globo não diz que o governador carioca é genocida. A Polícia Federal já fez operações para investigar a roubalheira do dinheiro que seria para salvar dias em 11 Estados. Isso significa que a Polícia Federal rompeu uma quadrilha a cada 3,9 dias, desde que começaram as buscas. Em um ranking dos estados que mais desviaram verbas da saúde, em primeiro lugar está Pernambuco, mas a Globo não mostra isso.

Aqui, segundo levantamento oficial da Polícia Federal, teria ocorrido desvios da ordem de R$ 108 milhões. Em seguida, o Pará, com R$ 75 milhões, e Rondônia, onde R$ 31 milhões da verba destinada ao tratamento de infectados pela Covid-19 teriam ido para os bolsos dos corruptos. Vale ressaltar que, do total de ações, em oito casos a PF não informou o valor dos desvios. E entre as operações, 16 miravam as prefeituras. Recife é, igualmente, campeã, com sete operações da PF. Na gestão de Geraldo Júlio, o Covidão, só para a pandemia mais de R$ 600 milhões foram enviados pelo Governo Federal.

Mas a Globo não inclui Paulo Câmara nem Geraldo Covidão como genocidas. Entre os 25 processos de investigação da Federal, 15 ações envolvem a aquisição de outros tipos de materiais destinados ao combate do novo coronavírus, como máscaras de proteção e Equipamentos de Proteção Individual (EPI). Apenas quatro processos de investigação não especificaram o objeto alvo de fraudes nas compras.

Fonte: Blog do Magno

Tecnologia do Blogger.